SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE

CNPJ/MF nº 60.517.984/0001-04
Fundação:
25/27 de janeiro de 1930 (16 de dezembro de 1935).
Apelidos: O Mais Querido, Clube da Fé, SPFC, Tricolor Paulista.

Esquadrão de Aço (30-34), Tigres da Floresta (30-35), Rolo Compressor (38-39, 43-49), Tricolor do Canindé (44-56), Rei da Brasilidade (50-60), Tricolor do Morumbi (60-), Máquina Tricolor (80/81), Tricolaço (80/81), Menudos do Morumbi (85-89), Máquina Mortífera (92/93), Expressinho Tricolor (94), Time de Guerreiros (2005), Soberano (2008), Jason (08-09).

Mascote: São Paulo, o santo.

Lema: Pro São Paulo FC Fiant Eximia (Em prol do São Paulo FC façam o melhor).

Endereço: Pr. Roberto Gomes Pedrosa, 1. Morumbi; São Paulo - SP.
CEP: 05653-070.
Site Oficial: www.saopaulofc.net ou www.spfc.com.br

E-mail: site@saopaulofc.net
Departamento Amador: esportesamadores@saopaulofc.net

Telefone: (55-0xx11) 3749-8000. Fax: 3742-7272.

domingo, 23 de janeiro de 2011

70 anos do Canhotinha de Ouro

Um dos maiores de sua época, Gérson brilhou no Tricolor na década de 1970

Ana Luiza Rosa e Michael Serra para o Site Oficial - 11/1/2011

Um dos maiores jogadores da história do futebol brasileiro, ídolo em sua passagem pelo São Paulo FC, comemora 70 anos nesta terça-feira (11). Gérson, o Canhotinha de Ouro, marcou época no Tricolor entre 1969 e 1972 e está em festa hoje. E cada são-paulino deveria comemorar com ele.

Contratado na gestão de Laudo Natel, quando o clube terminava de construir o estádio do Morumbi, Gérson chegou ao São Paulo com a responsabilidade de acabar com 13 anos de “fila” – a equipe não conquistava títulos desde 1957, quando venceu o Campeonato Paulista.

O meia fez parte de um pacote de contratações do Tricolor, custeado com o excedente pós-finalização do Morumbi. Com a construção encerrada, o clube tinha dinheiro em caixa e partiu para a montagem de um time forte. “Só com a casa pronta que vamos mobiliá-la”, dizia o presidente Laudo Natel, que trouxe também Pedro Rocha, Pablo Forlán, Toninho Guerreiro, Edson Cegonha, entre outros.

Gerson fez parte do time que atuou no jogo de comemoração da inauguração final do Estádio Cícero Pompeu de Toledo, em 25 de janeiro de 1970, contra o Porto. No mesmo ano, defendeu a seleção brasileira na campanha vitoriosa da Copa do Mundo de 1970, no México, marcando inclusive um gol na final contra a Itália.

Ao voltar para o clube, ajudou a equipe a finalmente acabar com o jejum de títulos ao sagrar-se Campeã Paulista de 1970. De quebra, o bicampeonato estadual veio no ano seguinte, junto do vice-campeonato brasileiro no ano de estreia da competição.

Em 1972, Gérson se transferiu para o Fluminense, deixando o São Paulo pronto para um novo patamar em relação a títulos. Hoje, o bem humorado ex-jogador trabalha como comentarista de futebol no Rio de Janeiro.

Feliz aniversário, Canhotinha de Ouro!
A torcida tricolor comemora, e agradece!!!

Confira a entrevista que o site oficial fez com um dos maiores ídolos da história do futebol brasileiro:

Você participou da inauguração final do estádio do Morumbi. Como é hoje ver o estádio completar 50 anos?

Eu acho que todos nós, quem gosta de futebol e principalmente os jogadores, têm orgulho disso. Ainda mais quem jogou no São Paulo. É indescritível ver o estádio comemorar 50 anos, porque o Morumbi era o maior estádio particular do mundo. Acho que pra todos os que passaram por aqui e pros que vão passar, é um orgulho ter jogado e jogar em um estádio como o Morumbi.

Como foi chegar ao São Paulo com a responsabilidade de integrar um time que estava há 13 anos sem ganhar um título?

Eu saí do Botafogo em 1969 e nas eliminatórias da Copa do Mundo de 1970 eu já estava no São Paulo. Fui contratado em meio a um investimento muito grande. O clube queria formar uma equipe que pudesse disputar um título, já que há 13 anos não era campeão. Foi formado um time comigo vindo do Botafogo, o Edson Cegonha do Corinthians, o Toninho Guerreiro veio do Santos, o Forlán veio do Uruguai. E depois veio o Paulo e o Gilberto Sorriso, que saíram da base. Formamos um time pra disputar o Campeonato Paulista, que ganhamos. Quando eu cheguei, o treinador era o Diede Lameiro e depois, no primeiro campeonato, quem assumiu foi o Zezé Moreira. Já no bicampeonato foi o Brandão quem comandou. E nesse segundo título chegou o Pedro Rocha para ajudar.

Quais são as melhores lembranças daquela época?

As lembranças são ótimas, é claro, porque eu fui bicampeão. Formamos um time muito bom, muito competitivo, uma turma muito boa e unida, voltada para o campeonato. Inclusive como o Rivelino era muito amigo meu, eu quis trazê-lo também. Só que ele não quis, porque dizia que não tinha como sair do Corinthians pra ir pro São Paulo, né! Eu falei que era melhor ele vir, porque nós seríamos campeões e ele não ia ganhar nada! (Nessa época, o Corinthians estava há 16 anos sem vencer nada, e continuou assim até 1977). Até hoje ele fala sobre isso, que ele gostaria de ter ido para o São Paulo, mas dizia ele que não era possível por causa da torcida.

Você tem um grande ídolo que também foi são-paulino, apesar de não terem jogados juntos, não é?

Sim, é o Zizinho. Ele morava em Niterói, e o pai dele jogou com o meu pai no Byron F.C. (time da cidade). Ele me viu menino, e aí a gente conversava muito aqui, criamos uma a amizade grande. Ele foi campeão no São Paulo e quando encerrou a carreira me falava muito bem do clube, que era um time muito organizado, sério, e que valia a pena jogar lá. Então assim que o dr. Henri Aidar veio para o Rio falar da minha contratação, já sabia tudo o que eu iria encontrar. Tanto é que eu iria parar de jogar no São Paulo, mas não pude por causa de um problema que eu tive com a minha filha menor, de saúde, ela tinha bronquite e não se adaptou ao clima.

E da experiência na Copa do México, em 1970, o que o pode contar?

São muitas histórias, mas um fato que me deixou muito feliz naquela Copa foi ter tido tanto contato e apoio do São Paulo. Eu fiquei muito satisfeito, pois tive muito apoio tanto da diretoria quanto dos meus companheiros de clube. Isso foi muito importante.

Você acompanha o São Paulo atualmente? E o que acha do time para a temporada?

Acompanho sim, da forma que posso. E tenho certeza de que o time, que é um time de chegada, de ponta, está montado para brigar pelos campeonatos. É o que todos nós são-paulinos esperamos que aconteça esse ano novamente. Eu sou tricolor em todos os lugares do Brasil, e claro que torço para o São Paulo aí.

Como se sente por ter feito parte, junto com os outros jogadores do time de 1970, do esquadrão que abriu as portas para o São Paulo se tornar o grande campeão que é hoje?

Muito feliz, naturalmente. Quem participou disso se sente assim. Todos os campeonatos do São Paulo são importantes, e todo mundo que participou se acha importante também. A gente torce pra que essas gerações futuras possam se espelhar nessas que passaram e nesses jogadores todos. Todo jogador que jogou no São Paulo, pode ter certeza, tem orgulho de ter jogado no clube.


Crédito obrigatório: Arquivo Histórico / www.saopaulofc.net


Ficha de incrição de Gérson junto à Federação Paulista de Futebol, na época em que jogou no Tricolor


Gérson tentou trazer com Rivelino (esquerda) para o clube, mas rivalidade não deixou


Gérson ao lado de grandes campeões, como Sérgio Valentim, Toninho Guerreiro, Pablo Forlán...

3 comentários:

  1. Michael!
    Estou juntando materiais pra fazer um video sobre o Gerson.
    Você tem videos com ele usando nossa camisa?
    Tenho apenas trechos de dois jogos. É muito pouco...
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Miguel
    Fiz uma arte em homenagem ao canhota. Veja lá.
    http://www.flickr.com/photos/carlosqueco/5356040278/
    Abraço e parabéns pelo trabalho

    ResponderExcluir
  3. Um time que tinha Roberto Dias, Pedro Rocha e Gerson não podia deixar de ser alvo de admiração para quem o viu jogar.

    Eu era fanzaço do Canhotinha de Ouro. Quando eu jogava até usava o calção mais largo e meio baixo igual ao dele. Engraçado me lembrar disso.

    Parabéns, Papagaio!

    ResponderExcluir

Grandes Taças