SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE

CNPJ/MF nº 60.517.984/0001-04
Fundação: 25 de janeiro de 1930
Apelidos: O Mais Querido, Clube da Fé, SPFC, Tricolor Paulista.
Esquadrão de Aço (30-35), Tigres da Floresta (30-35), Rolo Compressor (38-39, 43-49), Tricolor do Canindé (44-56), Rei da Brasilidade (50-60), Tricolor do Morumbi (60-), Máquina Tricolor (80/81), Tricolaço (80/81), Menudos do Morumbi (85-89), Máquina Mortífera (92/93), Expressinho Tricolor (94), Time de Guerreiros (2005), Soberano (2008), Jason (08-09).
Mascote: São Paulo, o santo.
Lema: Pro São Paulo FC Fiant Eximia (Em prol do São Paulo FC façam o melhor).
Endereço: Pr. Roberto Gomes Pedrosa, 1. Morumbi; São Paulo - SP. CEP: 05653-070.
Site Oficial: www.saopaulofc.net
E-mail: site@saopaulofc.net
Telefone: (55-0xx11) 3749-8000. Fax: 3742-7272.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Há 32 anos, Chicão erguia a taça no Mineirão

A caminhada do Tricolor rumo à conquista do Brasileiro de 1977, com um time inesquecível

Do Site Oficial. Michael Serra - Arquivo Histórico - 5/3/2010

"O São Paulo é zebra". Assim dizia a crítica especializada em 1977. Ao término do Campeonato Paulista daquele ano se classificara em terceiro lugar. O bicampeão Internacional, de Falcão; o Atlético Mineiro, de Cerezo; o Fluminense, de Rivellino e o Flamengo, de Zico, eram mais cotados ao título. Mas o Tricolor se preparou bem para o certame. Trouxe do sul o também - e então - bicampeão Rubens Minelli, o capitão da seleção uruguaia Darío Pereyra e manteve a boa base que fora campeã paulista de 1975.

A competição seria longa. Fases e mais fases para se decidir o campeão. Na primeira, o São Paulo se classificara em segundo lugar, com dezoito pontos, em um grupo de dez times (ficou dois pontos atrás do Palmeiras). Na fase seguinte, novamente se classificou no segundo posto, com sete pontos ganhos (desta vez atrás do Corinthians, também com dois pontos de diferença) e com uma sonora goleada no então favorito Internacional: 4 a 1 em Porto Alegre - dois gols de Serginho, um de Zé Sérgio e um de Teodoro.

Na terceira fase, a vaga para a semifinal foi conquistada com o primeiro lugar do grupo, 11 pontos: uma boa campanha de três vitórias, um empate e somente uma derrota - para o Botafogo de Ribeirão Preto, 0 x 1. Naquela partida, descontrolado por ter um gol seu anulado, Serginho deu um pontapé no bandeirinha. Julgado e punido, ficaria fora das finais do campeonato.

Então, nas semifinais, um confronto inesperado: São Paulo x Operário de Campo Grande (MS). Primeira partida, Morumbi lotado (recorde de público do São Paulo FC até hoje em jogos pelo Campeonato Brasileiro: 109.584 pessoas), pressão e jogo apertado até os 32 minutos do segundo tempo, quando Serginho inaugurou o placar. A porteira se abriu e a partida encerrou-se com 3 a 0 a favor do Tricolor (Neca e Serginho, novamente, completaram o placar). Com a boa vantagem acumulada, a derrota fora de casa por 1 a 0 no jogo de volta não atrapalhou. Era a hora da grande final...

Em pé: Antenor, Tecão, Getúlio, Chicão, Bezerra e Waldir Peres
Abaixados: Hélio Santos (massagista), Viana, Teodoro, Mirandinha, Darío Pereyra e Zé Sérgio

5 de março de 1978, Mineirão fervendo com 102.974 pessoas. O Atlético Mineiro decidia o título em sua casa, jogo único, pelo fato de ter melhor campanha acumulada nas fases anteriores.

Se o São Paulo não teria Serginho, enfim julgado e suspenso pelo STJD, o Galo não teria também Reinaldo, pelo mesmo motivo. Estratagemas psicológicos foram adotados de lado a lado, com ameaças de efeitos suspensivos para os dois jogadores. Rubens Minelli então ousou, mandou que Serginho fosse à Belo Horizonte com o restante do grupo, de última hora, e que até aparecesse nos vestiários trajado com o uniforme de jogo. Foi aquele alvoroço! A imprensa mineira achou que o Tricolor havia de fato conseguido o efeito suspensivo.

Desconcentrados pelo diz-que-me-diz dos bastidores, os mineiros subiram ao campo e foram surpreendidos pela postura dos jogadores tricolores, que tiveram as melhores chances de gol durante o jogo: Viana acertou o travessão durante o tempo regulamentar e o zagueiro Márcio salvou em cima da linha um cabeceio de Chicão, na prorrogação.

Pênaltis. Primeiro Getúlio, ex-jogador do Atlético, passos lentos e firmes, toque forte na bola e a defesa de João Leite. A decisão não começara bem para o São Paulo...

Era a vez, então, de Toninho Cerezo bater, apoiado por mais de cem mil vozes aos gritos de "Galô, Galô, Galô". Veio o chute, chute alto, acima de Waldir Peres, acima do travessão: para fora!

A esperança tricolor de sair à frente agora estava na cobrança de Chicão. O Deus da Raça Tricolor, Chicão. Correu e... escorregou. João Leite defendeu. O título parecia escapar...

O Estádio do Mineirão parecia explodir naquela tarde, princípio de noite. Ziza colocou o time de Minas à frente. Peres depois empatou, 1 a 1. Alves recolocou, a seguir, o Atlético na frente.

Antenor, na seqüência, acertou o gol para o Tricolor. Se Joãozinho Paulista marcasse o seu, com 3 a 1, seria muito difícil recuperar. Waldir Peres então se destacou, herói, quando o adversário ajeitava a bola para a cobrança: deixou sua meta e foi ter-se com ele, tirou a bola do lugar e o provocou. Pressionado, Joãozinho mandou a bola nas alturas e manteve o empate...

Bezerra, são-paulino, marcou o seu. Que virada! Que reviravolta na decisão. Agora Márcio, aquele que salvara o galo durante a partida, teria a responsabilidade de manter o Atlético vivo na disputa. Waldir Peres então pegou pesado: deu um tapinha nas nádegas do zagueiro como se o eximisse da responsabilidade - o que obviamente teve o efeito contrário. Cobrança executada e... Novamente, bola lá em cima, fora do gol!

O São Paulo assim se sagrava Campeão Brasileiro pela primeira vez. A primeira de muitas do maior campeão da competição. Um bom retrospecto para aquele que largara como zebra... Uma zebra tricolor.

***

Me desculpem caso pareça uma exposição desnecessária ou exagerada, mas criarei aqui uma seção com textos meus que forem divulgados no site oficial. Mais para colecioná-los mesmo, hehe.

4 comentários:

  1. Eu tinha visto lá no site oficial. Muito bom! Escreva mais por lá!

    Teve também aquela sobre os ídolos de cada década, né?

    ResponderExcluir
  2. Caro Michael
    Conseguimos uma ficha técnica de jogo do SPFC que não consta no Almanaque do São Paulo e nem na listagem do SPFCpédia.Está à sua disposição, desde que lhe interesse. Trata-se de um amistoso realizado em 7 de setembro de 1972.
    Vicente Baroffaldi : vhbaroffaldi@ig.com.br

    ResponderExcluir
  3. Vicente Baroffaldi6 de março de 2010 22:45

    Caro Michael
    Conseguimos uma ficha técnica de jogo do SPFC que não consta no Almanaque do São Paulo e nem na listagem do SPFCpédia.Está à sua disposição, desde que lhe interesse. Trata-se de um amistoso realizado em 7 de setembro de 1972.
    Vicente Baroffaldi : vhbaroffaldi@ig.com.br

    ResponderExcluir
  4. 07.09.1972 Amistoso Nacional
    Brasil Cascavel (PR) Visitante
    CASCAVEL Futebol Clube (PR) 0 X 4 SÃO PAULO Futebol Clube (SP)

    Não é esse? hehe ando precisando atualizar os dados do SPFCpédia...

    --------
    Anônimo, sim, teve sim, bom lembrar hehe. Colocarei também.

    ResponderExcluir

Grandes Taças