SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE

CNPJ/MF nº 60.517.984/0001-04
Fundação:
25/27 de janeiro de 1930 (16 de dezembro de 1935).
Apelidos: O Mais Querido, Clube da Fé, SPFC, Tricolor Paulista.

Esquadrão de Aço (30-34), Tigres da Floresta (30-35), Rolo Compressor (38-39, 43-49), Tricolor do Canindé (44-56), Rei da Brasilidade (50-60), Tricolor do Morumbi (60-), Máquina Tricolor (80/81), Tricolaço (80/81), Menudos do Morumbi (85-89), Máquina Mortífera (92/93), Expressinho Tricolor (94), Time de Guerreiros (2005), Soberano (2008), Jason (08-09), 633 Squadron (2009).

Mascote: São Paulo, o santo.

Lema: Pro São Paulo FC Fiant Eximia (Em prol do São Paulo FC façam o melhor).

Endereço: Pr. Roberto Gomes Pedrosa, 1. Morumbi; São Paulo - SP.
CEP: 05653-070.
Site Oficial: www.saopaulofc.net ou www.spfc.com.br

E-mail: site@saopaulofc.net
Departamento Amador: esportesamadores@saopaulofc.net

Telefone: (55-0xx11) 3749-8000. Fax: 3742-7272.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Transformando 16 em 6

O amigo Edison Júnior me apresentou e enviou estas fotos:



Em suas palavras: "É uma foto de uma camisa que eu tenho mais ou menos dessa época [anos 60], que pertenceu ao nosso grande zagueiro Jurandir, em que a faixa preta está desbotada, quase no tom da foto acima [Referindo-se ao caso da Foto Curiosa].

Não se esqueçam que naquele tempo os clubes tinham que comprar seu próprio uniforme e somente em jogos importantíssimos os jogadores trocavam a camisa, acho até que tinham que reembolsar o clube depois. Eram outros tempos, usavam a camisa até acabar.

Hoje os fabricantes de uniforme oferecem fortunas para os times usarem sua marca. Jogadores trocam de camisa no intervalo. Acho que até as de treino são descartáveis (ou vendáveis).

Duas curiosidades com relação a esta camisa do Jurandir. A primeira é que meu pai trabalhava com um camarada que nos finais de semana atuava como bandeirinha. Num jogo entre São Paulo e Corinthians ele pediu a camisa ao Jurandir e presenteou meu pai com ela.

Notem o desbotamento inicial na figura 1 e as marcas deixadas pelo número um na figura 2

A segunda corrobora a pobreza daqueles tempos. Jurandir utilizava a camisa número 6. Essa que eu tenho é visivelmente uma número 16 da qual foi tirado o número 1 (que era costurado na camisa), transformando-a numa número 6 meio fora de centro".

Além disso, posso destacar também - até para comprovar um fato desconhecido de muitos -, o "fornecimento" esportivo da marca Athleta, nos anos 60, como é possível ver com mais detalhes abaixo:


A frase "usada pelos bi-campeões mundiais" é referente a Seleção Brasileira. Mas o mais curioso é o "durabilidade garantida". Talvez por isso usavam e usavam tanto, até o máximo desgaste.

Bem diferente de hoje em dia.

3 comentários:

  1. mesmo com numero um retirado, desbotada e o caramba, eu acho muito mais bonita que as recentes.
    essa camisa e clássica.

    ResponderExcluir
  2. Clássica mesmo,
    é legal ver as listras dando a volta completa na camiseta,

    Bela raridade.

    ResponderExcluir
  3. essa não tem preço, hein?

    ResponderExcluir

Grandes Taças