SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE

CNPJ/MF nº 60.517.984/0001-04
Fundação: 25 de janeiro de 1930
Apelidos: O Mais Querido, Clube da Fé, SPFC, Tricolor Paulista.
Esquadrão de Aço (30-35), Tigres da Floresta (30-35), Rolo Compressor (38-39, 43-49), Tricolor do Canindé (44-56), Rei da Brasilidade (50-60), Tricolor do Morumbi (60-), Máquina Tricolor (80/81), Tricolaço (80/81), Menudos do Morumbi (85-89), Máquina Mortífera (92/93), Expressinho Tricolor (94), Time de Guerreiros (2005), Soberano (2008), Jason (08-09).
Mascote: São Paulo, o santo.
Lema: Pro São Paulo FC Fiant Eximia (Em prol do São Paulo FC façam o melhor).
Endereço: Pr. Roberto Gomes Pedrosa, 1. Morumbi; São Paulo - SP. CEP: 05653-070.
Site Oficial: www.saopaulofc.net
E-mail: site@saopaulofc.net
Telefone: (55-0xx11) 3749-8000. Fax: 3742-7272.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

São Paulo 23 x 1 Santos

O dia 18 de junho de 1944 foi especial. Nunca o Estádio Municipal do Pacaembu presenciou tantos gols. Mas calma, São Paulo 23 x 1 Santos foi o placar geral, somadas as duas partidas que ocorreram naquele dia entre as duas equipes - aspirante e principal.


Rodada dupla pelo Campeonato Paulista. Na categoria inferior, a equipe Tricolor não teve dó e sacudiu um 14 x 0 contra o time da baixada santista. Só Yeso (grafado como à época), que fez sucesso no futebol frânces, posteriormente, marcou seis vezes.

O plantel principal se poupou e o resultado não chegou a casa decimal. 9 a 1 - detalhe: foi de virada.

Segue-se abaixo o relato de Conrado Giacomini, em Dentre os Grandes, És o Primeiro, sobre essa goleada.

A maior goleada do clássico San-São

... E os jornais acreditavam que, mesmo ostentando uma equipe bem mais modesta que a nossa, o alvinegro pudesse surpreender o tricolor. O jogo estava marcado para o Pacaembu, num frio e nublado domingo - a temperatura era de aproximadamente 14°C -, enfim, uma típica tarde de inverno paulistana. Mesmo assim o público foi bom, estimado em trinta mil pessoas (não houve divulgação oficial do público pagante). Na partida preliminar, entre os aspirantes de São Paulo e Santos, um resultado simplesmente inacreditável: São Paulo 14, Santos 0. Sim, 14 x 0 para o tricolor! Só o centroavante Ieso Amalfi, posteriormente um dos primeiros jogadores a jogar no futebol europeu, marcou por seis vezes! Seria um prenúncio de outro massacre são-paulino?

Jogando com maior desenvoltura e produzindo diversas chances, o Santos abriu o marcados aos 11 minutos, através de Solar, e continuou a atacar o São Paulo de modo desenfreado, querendo a todo custo liquidar a fatura o quanto antes. Contudo, ao deixar enormes buracos na sua intermediária, o Peixe se tornou uma presa fácil ao rápido contra-ataque tricolor. Aos 27, Pardal, mesmo acompanhado de perto por seus marcadores, finaliza para a meta, 1x1. O tento de empate desmantela o alvinegro, que, nervoso, não consegue impedir o maior volume de jogo apresentado pelo São Paulo. Aos 38, pênalti para o São Paulo. Pardal cobra e vira o jogo, 2x1. Quatro minutos depois, Remo recebe, avança e chuta, sem dificuldade, para fazer 3x1. Vem o segundo tempo e, logo aos 3 minutos, Tim sai livre na boca da meta e marca, inapelável, 4x1. Neste momento o céu nublado cede lugar à chuva, que desaba sobre o Estádio Municipal tornando o gramado escorregadio. Aos 11, Luizinho, no centro da área, cabeceia e marca o quinto gol. Seis minutos mais tarde, Jaú falha ao não cortar cruzamento e Tim não se faz de rogado, 6x1. Nesse momento, os jogadores tricolores brindam a platéia com uma sucessão de passes e lances de efeito que leva aos santistas à loucura. O espetáculo continua, o São Paulo põe o adversário na roda. Descontrolado, o Santos perde Ari Silva, expulso depois de dar um pontapé em Luizinho. Em outra falta cometida pelo time santista, aos 27, Luizinho se antecipa a Joãozinho e cabeceia para o funo das redes, 7x1. A chuva cessa, o tempo escurece na capital paulista e acendem-se os refletores. Só o São Paulo não pára. Aos 37, Pardal cruza para Sastre marcar o oitavo gol. A três minutos do fim do jogo, Remo se aproxima da boca da meta e marca o nono gol.

Placar final: São Paulo 9, Santos 1, o mais dilatado marcador da história dos confrontos entre São Paulo e Santos, clássico este que, em 1956, foi apelidado de San-São por Thomaz Mazzoni.


11 comentários:

  1. SAUDAÇÕES TRICOLORES!!!

    PASSEI AQUI PARA AVISAR QUE CRIEI UMA REDE SOCIAL DO SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE...
    O OBJETIVO É REUNIR TORCEDORES SÃO PAULINOS PARA DEBATER ASSUNTOS DO TRICOLOR, CONVERSAREM, COLOCAREM VIDEOS, FOTOS DOS JOGOS E TUDO QUE QUISEREM...
    LA TEM O CHAT QUE É MUITO BOM...

    O ENDEREÇO É HTTP://TRICOLORFC.NING.COM
    FAÇAM O SEU CADASTRO E CONVIDEM OUTROS TORCEDORES SÃO PAULINOS...

    ABRAÇOS A TODOS

    ResponderExcluir
  2. sai dai bambizada...quem vive de passado e museu...suas bichas..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vai lixo temos historias diferernte de vcs boco

      Excluir
  3. Só quem não tem passado é filho de pai desconhecido. Como não tem nem nome, deve ser o caso.

    ResponderExcluir
  4. Tricolor o melhor dos melhores... O mais amado e o único...
    Se alguém souber onde vende o taz com o uniforme tricolor por favor me avisa??
    obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Alguem poderia me informar se tiver ou aonde encontrar o audio do primeiro hino do sao paulo, quem tiver me avise meu msn e face guitarrista_jimmy@hotmail.com meu fone 11967240033 io, 11964369829 tim, agradeço desde já.

    Cleuber

    ResponderExcluir
  6. Legal vou criar um site como esse tal de Michel fez e vou colocar
    Santos 65x0 São Paulo
    Hahaha vai mentir p lá

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara essas vitórias são verdadeiras 1944 SP 9 santos 1

      Excluir
    2. kkkkkk nao foi 23 a 1 mais foi 9 a 1 e ai chola nenen

      Excluir
  7. 23x1? Não é certo a sua unificação com o placar das categorias de base

    ResponderExcluir
  8. Contar placar de categorias de base não é lá muito honesto...

    ResponderExcluir

Grandes Taças