SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE

CNPJ/MF nº 60.517.984/0001-04
Fundação: 25 de janeiro de 1930
Apelidos: O Mais Querido, Clube da Fé, SPFC, Tricolor Paulista.
Esquadrão de Aço (30-35), Tigres da Floresta (30-35), Rolo Compressor (38-39, 43-49), Tricolor do Canindé (44-56), Rei da Brasilidade (50-60), Tricolor do Morumbi (60-), Máquina Tricolor (80/81), Tricolaço (80/81), Menudos do Morumbi (85-89), Máquina Mortífera (92/93), Expressinho Tricolor (94), Time de Guerreiros (2005), Soberano (2008), Jason (08-09).
Mascote: São Paulo, o santo.
Lema: Pro São Paulo FC Fiant Eximia (Em prol do São Paulo FC façam o melhor).
Endereço: Pr. Roberto Gomes Pedrosa, 1. Morumbi; São Paulo - SP. CEP: 05653-070.
Site Oficial: www.saopaulofc.net
E-mail: site@saopaulofc.net
Telefone: (55-0xx11) 3749-8000. Fax: 3742-7272.

sábado, 1 de março de 2008

Bug do Milênio

Tá explicado o bug em nossos jogadores, hehe:
______________

"O São Paulo Futebol Clube está movendo, baseado no Código de Defesa do Consumidor, a primeira ação judicial envolvendo o Bug do Milênio do país. A alegação é que o sistema de telefonia computadorizada vendido pela Equitel S/A., empresa do grupo alemão Siemens, não é compatível com o Ano 2000 e que a empresa tem obrigação de consertar o Bug sem custo algum. Ao fazer a solicitação à empresa, o clube foi surpreendido com um orçamento de R$ 22 mil e decidiu ir à Justiça.

O clube adquiriu da Equitel, em março de 1997, um sistema de telefonia com 288 ramais, controlados por uma central computadorizada, no valor de cerca de R$ 100 mil. Como medida de precaução, o advogado do clube, Renato Opice Blum, notificou a Equitel em novembro último, perguntando sobre a compatibilidade do sistema e obteve, como resposta, um aviso de que o sistema não era compatível e que provavelmente apresentaria problemas, juntamente com um orçamento, no valor de R$ 22 mil, para que fossem feitas as atualizações de software e hardware necessárias.

Em resposta ao comunicado da empresa, o advogado enviou uma segunda notificação, dando um prazo de 30 dias para que a conversão fosse feita sem custo algum para o clube. "O Bug é um defeito de fabricação que faz com que o produto não atinja sua finalidade, frustrando a expectativa do consumidor quanto ao seu funcionamento", justifica o advogado.

Passado o prazo dos trinta dias, o clube e o advogado entraram dia 14 de janeiro com a ação pedindo que a Justiça paulista tome providências para que o serviço seja realizado, sem custos, antes que cause algum dano. Segundo o orçamento da Equitel, seriam necessários 37 dias para o serviço de substituição e atualização do sistema.

A ação envolve a Equitel, de quem o clube adquiriu o sistema, e a Siemens, fabricante do equipamento. O Tribunal espera a manifestação da defesa até o início de março, para depois iniciar a apreciação do caso.

A Siemens se defende dizendo que:

- A empresa foi surpreendida com a atitude do clube, uma vez que não havia impasse nas negociações entre as partes. A Siemens tem adotado inúmeras ações visando informar e orientar os clientes de como proceder perante o Bug do ano 2000. Vale salientar que este não é um tema que atinge unicamente a Siemens, mas a todos os fabricantes de equipamento que envolvam tecnologia de informática;

- Não é correta a declaração feita pelo representante legal da entidade de que o sistema de telefonia deixará de operar na virada do ano 2000, deixando o clube incomunicável. Mesmo sem as alterações o sistema continuará a prestar normalmente os serviços telefônicos de discagem e recebimento de chamadas;

- "O valor da proposta enviada pela Siemens ao clube não abrangeu apenas o equacionamento do problema do bug. Envolveu, também, a incorporação de novos aplicativos opcionais com o objetivo de modernizar o sistema".

- "Desde maio de 98, a Siemens vem adotando uma série de ações com o objetivo de prestar todo o suporte necessário aos seus clientes. Mala-direta, visitas a clientes, criação de uma página na Internet, com dados sobre quais produtos precisam de atualização e quais não, e disponibilização de sua Central de Atendimento para esclarecimento de dúvidas são algumas delas"."
_________
No fim os telefones funcionaram, já os jogadores... ah Axel.

fonte: Bug do Ano 2000, Renata de Moraes Trindade - Universidade Federal de Santa Maria.

2 comentários:

  1. O OPICE BLUM, na verdade, precisava, de qualquer jeito entrar com uma ação contra alguém, referente ao BUG DO MILÊNIO. Ele, junto com seu sogro, José Roberto Faria Lima estavam procurando uma brecha, para iniciar um negócioreferente ao BUG. Diziam que seria o maior segmento do Direito. O pai Dele, José Roberto Opice Blum era Diretor Jurídico do São Paulo e contratou o próprio filho. Mas só conseguiram a Siemens. José Roberto Faria Lima, sogro do Renato Opice Blum, que foi candidadto ao Conselho do São Paulo, era beneficiário de uma caixinha da Regional de Pinehiros, cujos fiscais estorquiam os comerciantes para lhe dar, por mes, R$ 120.000,00. Isto está tudo na internet. Procurem "José Roberto Faria Lima e as propinas". O Ministério Público deveria fazaer, no São Paulo, uma varredura.

    ResponderExcluir
  2. Interessante esse relato. Mas anônimo, não entendi duas partes, pq o Opice Blum e o sogro dele "precisavam" encontrar uma brecha referente ao BUG - qual vantagem buscavam com isso, necessariamente? Seria uma atitude que visava meramente ascensão no campo de trabalho advocatício?

    E quanto ao Faria Lima, candidato ao conselho do SPFC... (chegou a ser eleito? não tenho a informação). Todavia, sua conduta questionável (não conferi ainda, mas se verdade, é deplorável) é fora da vida do SPFC e não sendo conselheiro ou dirigente do clube...

    Ao que me parece, caso esses dois agissem juntos em coluio, é que ambos tentaram então usar o SPFC para benefícios proprios...

    Como o Pimenta... =/

    Enfim, é bem verdade, que no mínimo, isso deveria ser melhor apurado.

    p.s. Só um detalhe, anônimo hehe, por favor, para dar ênfase a sua denúncia até, seria bom dar seu nome... Geralmente coisas anônimas perdem a credibilidade.

    ResponderExcluir

Grandes Taças