SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE

CNPJ/MF nº 60.517.984/0001-04
Fundação: 25 de janeiro de 1930
Apelidos: O Mais Querido, Clube da Fé, SPFC, Tricolor Paulista.
Esquadrão de Aço (30-35), Tigres da Floresta (30-35), Rolo Compressor (38-39, 43-49), Tricolor do Canindé (44-56), Rei da Brasilidade (50-60), Tricolor do Morumbi (60-), Máquina Tricolor (80/81), Tricolaço (80/81), Menudos do Morumbi (85-89), Máquina Mortífera (92/93), Expressinho Tricolor (94), Time de Guerreiros (2005), Soberano (2008), Jason (08-09).
Mascote: São Paulo, o santo.
Lema: Pro São Paulo FC Fiant Eximia (Em prol do São Paulo FC façam o melhor).
Endereço: Pr. Roberto Gomes Pedrosa, 1. Morumbi; São Paulo - SP. CEP: 05653-070.
Site Oficial: www.saopaulofc.net
E-mail: site@saopaulofc.net
Telefone: (55-0xx11) 3749-8000. Fax: 3742-7272.

sábado, 29 de dezembro de 2007

50 anos: Jogo das Garrafadas

"A animosidade entre os jogadores era ainda maior. Num São Paulo e Corinthians - já valendo pelo Campeonato Paulista de 1957 -, o médio Alfredo, que acabara de trocar o tricolor pelo alvinegro, teve a perna fraturada numa dividida com o ponta Maurinho. Depois desse lance, o são-paulino Gino e o corinthiano Luisinho passaram o jogo inteiro se provocando, quase se estapeando em alguns momentos.

No dia seguinte, Gino, ao lado de outros jogadores do São Paulo, foram visitar o antigo companheiro Alfredo no hospital. Na saída, Lusinho, que se escondera sorrateiramente atrás de uma árvore, atirou um tijolo na testa de Gino, e saiu correndo, fugidio. Foi com esse espírito que são Paulo e Corinthians disputaram o Campeonato Paulista de 1957".

... Chegávamos à última rodada com chances de sermos campeões, pois o líder Corinthians, na penúltima rodada, viu sua invencibilidade de 35 jogos ruir diante do Santos na Vila Belmiro. E qual seria o jogo da última rodada? Sim, São Paulo x Corinthians. Quem vencesse seria o campeão; se houvesse empate, os dois, juntamente com o Santos, disputariam um triangular, na época chamado de supercampeonato.

Como a atmosfera entre as duas agremiações estava bastante carregada, a Federação Paulista optou por trazer a melhor e mais cara arbitragem do futebol sul-americano. O juíz seria o carioca Alberto da Gama Melcher, e os auxiliares, os britânicos Cross e Lynch, que trabalhavam na Argentina. O São Paulo teria um desfalque importante para o jogo, o médio Dino Sani, contundido. Para piorar, seu reserva imediato, Ademar, também estava machucado, e o terceiro reserva, Sarará, não só não havia sequer jogado uma partida do campeonato, como estava afastado do elenco em virtude de um desentendimento com o técnico Bella Guttman. Foi preciso muito jogo de cintura para convencer o húngaro a aceitar sua escalação. Mas não houve outro jeito. Sarará sairia jogando.

A partida começou e logo aos 5 minutos o primeiro entrevero: uma dividida mais ríspida entre Gino e Luizinho, justamente os maiores protagonistas da animosidade entre os times. Aos 17 minutos, o primeiro gol da partida: Amauri recebe passe de Gino, avança pela extrema esquerda e fulmina o goleiro Gilmar, 1 x 0. O Corinthians sente o golpe e parte desesperadamente para o abafa. Dois minutos depois, Amauri passa a Canhoteiro, que livre na extrema esquerda e com um chute rasteiro, no canto direito, amplia a vantagem, 2 x 0. Na seqüência Rafael diminuiu para os alvinegros, 2 x 1, três gols em seis minutos! No segundo tempo, os alvinegros não saem da área tricolor; os são-paulino se defendem como podem, dando chutões muitas vezes.

Num desses chutes para cima, aos 34 do segunto tempo, Zizinho passa a Gino que, de primeira, toca a Maurinho. Em posição legal, ele ganha na corrida de Olavo, avança pela ponta-direita, pára diante de Gilmar e arremata, 3 x 1. Na comemoração, Maurinho olha para Gilmar e aponta onde está a bola, no fundo das redes. É a senha para a maior confusão já vista no estádio do Pacaembu. Gilmar parte em direção a Maurinho. A torcida corinthiana, inconformada com o suposto impedimento de Maurinho no terceiro gol, começa a jogar paus, pedras e, principalmente, garrafas em direção do bandeirinha Lynch, que validara o gol. A briga é generalizada, socos e pontapés são desferidos dentro do gramado e nas arquibancadas. O jogo fica paralisado por alguns minutos mas termina logo em seguida.

O São Paulo é campeão paulista de 1957. O Corinthians, que duas rodadas atrás queria o título invicto, nem o vice consegue, perdendo-o para o Santos. A crise provocada no alvinegro em virtude da vitória tricolor é tamanha que Cláudio, o ponta-direita do Corinthians, ainda hoje o maior artilheiro da história do clube, decide encerrar a carreira; Oswaldo Brandão é destituído do cargo de treinador, e o presidente Alfredo Ignácio Trindade não consegue se reeleger. É, nisso ele tinha razão: perder para o São Paulo é mesmo insuportável.

trechos do livro: São Paulo: Dentre os Grandes, És o Primeiro, de Conrado Giacomini.

Curiosamente existem outros relatos com detalhes tão curiosos quanto estes apresentados. Pedro Luiz Boscato, telespectador da época, relata no Fórum da Jovem Pan:

Curioso esse episódio envolvendo Maurinho e Gilmar, naquela decisão de 57. Ouví várias versões sobre isso. Lembro bem, assistí o jogo também pela TV, quando o Maurinho marcou o terceiro gol, o que provocou a chuva de garrafas no gramado, ele deu um tapinha na cara do Gilmar e apontou para o gol. Ainda no gramado, jogo já encerrado, tanqüilamente, vi o Maurinho dar entrevista, ao ser indagado sobre o lance, ele disse que, ainda no primeiro tempo o Gilmar dizia para o Oréco: "Oréco, dentro da área não porque é penalti, mas, forá da área, pode dar para quebrar as duas pernas que falta eu garanto". Então, ao marcar o terceiro gol, o Maurinho, de leve, no sentido gozação, deu um tapinha no rosto do Gilmar e disse: "Pega lá".

Eu, confesso, não vi o Maurinho correr coisa nenhuma e nem o Gilmar sair atrás dele. Só se foi antes disso, da entrevista do Maurinho e o canal que eu estava assistindo então não pegou. Vi, sim, o Olavo, zagueiro central corinthiano, se dirigir ao bandeirinha e dar um pontapé, também não foi aquele pontapé, deu, mas também nada como comentam, na perna do bandeirinha, após o jogo terminado. Isso a TV pegou, eu vi e lembro bem.

Uma vez, também, lembro, Corinthians x São Paulo, um ligeiro desentendimento, terminada a partida, Gilmar e Gino. Gilmar dava entrevista, Gino falou qualquer coisa, Gilmar disse: "Se você quiser brigar também eu brigo". Ficou nisso.

Por fim, quem presenciou o jogo ao vivo ainda relata que Maurinho, ao parar de frente de Gilmar para fazer o gol, teria dito: "Em que canto voce quer?"

Em suma, a tradição de picuinhas e brigas completa hoje 50 anos.

29 de dezembro de 1957
Campeonato Paulista
São Paulo (SP) - Pacaembu
Público: 39.670 pagantes.
Renda: CR$ 2.409.040,00.
Árbitro: Alberto da Gama Malcher.

São Paulo FC 3 X 1 SC Corinthians P

SPFC: Poy; De Sordi e Mauro; Sarará, Vítor e Riberto; Maurinho, Amauri, Gino, Zizinho e Canhoteiro.

Tec.: Bella Guttman.

Gols do tricolor: Amauri, 17'; Canhoteiro, 19' do primeiro tempo; e Maurinho, 34' do segunto tempo.

9 comentários:

  1. Na decisão de 1957, jogo das Garrafadas, São Paulo 3 x Corinthians 1, todos os gols foram marcados no segundo tempo, o primeiro tempo terminou 0x0.
    Pedro Luiz Boscato

    ResponderExcluir
  2. Nesse jogo das garrafadas, São Paulo 3 x Corinthians 1, São Paulo jogando com seu uniforme dois, Corinthians com o uniforme um. Tenho para mim, o Corinthians jogou de meias brancas, tal como o São Paulo. Porém, numa foto num dos sites da internet, está o Corinthians com meias listadas pretas e brancas, meias zebradas como se dizia antigamente. Eu acho que está errado, gostaria que me esclarecessem sobre isso, confirmassem como foi, para mim, Corithians, também, jogou com meias brancas.
    Um abraço
    Pedro Luiz Boscato

    ResponderExcluir
  3. Meu avó estava entre os 39.670 espectadores e comentou com o meu pai que a briga na arquibancada também foi feia.

    ResponderExcluir
  4. Comprei a réplica desta camisa 2 do Tricolor.ELA É LINDA!!!!

    ResponderExcluir
  5. Confirmado, no jogo da Tarde das Garrafadas no Pacaembu, 28 de dezembro de 1957, São Paulo 3 x Corinthians 1, o Corinthians também jogou com meias brancas, tem uma foto no site Tardes de Pacaembu que mostra o lance que Canhoteiro assinala o segundo tento tricolor, mostra claramente a foto que o Corinthians jogou com meias brancas também.

    ResponderExcluir
  6. Eu tinha 8 anose ouvi este jogo ao lado da minha mãe, é o jogo da minha vida.. a ala esquerda do s.paulo, composta por mestre zizinho e canhoteiro, era fenomenal...imarcavel,maravilhosa , mesmo sem Dino Sani, o spfc foi pra cima e fez 3x1...

    ResponderExcluir
  7. No jogo da Tarde das Garrafadas, São Paulo 3 x Corinthians 1 e o São Paulo conquistando o título, o Corinthians jogou com meias brancas e não com meias listadas como aparecem fotos em vários sites e blogs, ambos jogaram com meias brancas, São Paulo e Corinthians.

    ResponderExcluir
  8. Maurinho, Amauri, Zizinho, Gino Orlando e Canhoteiro...
    A V A S S A L A D O R!!

    ResponderExcluir
  9. eu com os meus 14 anos na época ,estava presente graças a deus nesse jogo ,fui um dos primeiros a entrar no estadio,fiquei abaixo das cabine de radio ,nas arquibancada ,foi uma tarde muito feliz ,onde 80% dos torcedores eram corinthianos ,mais no final a festa foi nossa ,quando o zizinho chingado pela torcida do corinthias ,respondia com aquele sorrido de deboche rsrsrsrs

    ResponderExcluir

Grandes Taças